astel@astelsp.org.br
img-quemsomos-astel

Substância ajuda a evitar danos de Alzheimer em ratos, diz estudo- Fonte O ESTADO DE SÃO PAULO

Substância ajuda a evitar danos de Alzheimer em ratos, diz estudo

Pesquisadores da Universidade de Yale observaram que composto agiu nos cérebros de animais sem efeitos adversos

Um tratamento oral experimental para a doença de Alzheimer conseguiu reverter os danos às sinapses cerebrais e proteger os neurônios em um modelo de camundongo, não causando efeitos colaterais em roedores ou macacos. Se melhorado e testado, esse composto, desenvolvido por cientistas da Universidade de Yale, pode se tornar um tratamento para a doença, que ainda não tem cura. Os resultados do estudo foram publicados na revista Science Translational Medicine.

Alzheimer, a forma mais comum de demência, é uma patologia complexa e multifatorial que geralmente aparece após os 65 anos de idade e tem um forte componente genético. Acredita-se que na maioria é causada pela interação de fatores genéticos e meio ambiente. Embora o cenário de tratamento permaneça sombrio para pacientes de Alzheimer, os cientistas progrediram na compreensão de alguns dos fatores genéticos e moleculares da doença. Sabe-se que duas das principais características são o acúmulo de proteínas TAU tóxicas e a destruição gradual das sinapses (conexões) do neurônios, que são a base para as atividades do cérebro.

A pesquisa mostrou que as micróglias, células do complexo imunológico do sistema nervoso, podem trair o cérebro desencadeando a perda de sinapse. Mas por que isso acontece ainda não está claro.

No estudo, Joshua Spurrier e sua equipe em Yale avaliaram o composto experimental BMS-984923, buscando um receptor chamado mGluR5, que tem sido associado à perda sináptica. Graças à ressonância magnética e à tomografia, os pesquisadores observaram pela primeira vez que o composto agiu efetivamente nos receptores mGluR5 nos cérebros de macacos e camundongos testados sem efeitos adversos. Em modelos de camundongos da doença de Alzheimer, o tratamento restaurou a densidade das sinapses e impediu que elas fossem marcadas pela proteína C1Q, o que impediu que fossem engolidas pela micróglia.

Os autores também observaram que os benefícios do BMS-984923 para sinapses durou até um mês após o tratamento, o que pode sugerir que o composto deve continuar a ser examinado em estudos de acompanhamento.

No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença de Alzheimer, segundo dados do Ministério da Saúde. O diagnóstico envolve uma série de exames, mas médicos explicam que a constatação não é inacessível à maioria dos pacientes e exames adicionais, além dos clínicos, só são necessário quando há dúvidas ou se há um desejo do paciente ou da família dele de ter uma confirmação por outro método. •

Diagnóstico Brasil tem cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença, segundo o Ministério da Saúde

Deixe uma resposta

Newsletter
Envie seu email e receba todas as novidades da Astel.
Enquete

Você é a favor da retirada da ação hecatombe e receber o superávit de 2016 em diante?

  • SIM (99%, 527 Votos)
  • NÃO (1%, 8 Votos)

Qtd. de Participantes: 534

Carregando ... Carregando ...
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Facebook
contador de acessos