astel@astelsp.org.br
img-quemsomos-astel

Os fundos de pensão e a infraestrutura – fonte Valor Econômico

cordabambaA insegurança jurídica no Brasil é um dos principais fatores que afastam os investidores nacionais e internacionais. A opinião, compartilhada pelos especialistas ouvidos pelo Valor, fundamenta-se em uma soma de fatores que vão da frequente mudança de regras de dia para noite aos escândalos de corrupção e impunidade.

O principal exemplo dessa insegurança regulatória foi a Medida Provisória 579, instituída em 2012 e convertida em Lei, que tratou das renovações das concessões de geração, transmissão e distribuição do setor elétrico.

Segundo Alexei Vivan, presidente da Associação Brasileira de Companhias de Energia Elétrica, pior do que a imposição de novas regras foi a falta de diálogo com o setor. “O panorama atual é bastante ruim. O fato de grandes concessionárias como a Cemig e a Copel não terem aderido às novas regras deixou as distribuidoras sem energia. Assim, o governo precisou fazer manobras contábeis com recursos do Tesouro Nacional para ajudar as distribuidoras para garantir a promessa de redução tarifária”, acrescenta Vivan. Para ele, a consequência dessa insegurança jurídica é que o investidor precifica o risco e vai buscar uma margem de retorno maior.

O setor elétrico, contudo, é apenas um exemplo. Todos os segmentos da economia estão atentos às mudanças de ritmo da música tocada pelo governo. Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), cita a insegurança em relação às concessões de ferrovias, aeroportos, rodovias e campos de petróleo. “O modelo proposto pelo governo nos leilões ainda deixa muita incerteza. A insistência do governo em participar dos investimentos como sócio, com a Infraero, Dnit ou Petrobras não faz sentido. O papel do governo é de fiscalizar a prestação dos serviços”, enfatiza Pires.

Os contratos de concessão, por sua vez, também são desafiadores, uma vez que existem setores com maturidade e institucionalidades diferentes, aponta Bruno Pereira, coordenador do Observatório das Parcerias Público-Privadas (PPP Brasil). Para Pereira, ainda que o setor energético tenha ficado abalado com as mudanças normativas, seu órgão regulador, a Aneel, é um dos mais bem estruturados do país. “O mesmo não pode ser dito sobre o setor de aeroportos. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) está começando a construir sua trajetória como reguladora de concessões aeroportuárias.”

Para Emilio Keidann, Diretor Executivo da Abrapp (Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar, ou Fundos de Pensão), apesar de todos os setores da economia terem de conviver e a se adequar às decisões governamentais, é possível detectar mudanças no cenário e agir com prudência.

“Hoje, vemos a taxa Selic numa ascendente, mas creio que no médio prazo o movimento se reverterá. Assim, os Fundos de Pensão, como investidores institucionais, buscam agir de forma preventiva, mitigando riscos, mas tentando identificar oportunidades de investimentos. Aliás, a infraestrutura é a oportunidade da vez”, aposta Keidann.

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Facebook
contador de acessos